Como criar uma comunidade engajada para impulsionar seu negócio?

Criar uma comunidade engajada é uma boa estratégia para alavancar os negócios. Neste post, confira as principais estratégias e ferramentas!

Como você pode manter o seu público engajado e proporcionar uma experiência cada vez melhor a estas pessoas? A solução cada vez adotada no mercado é criar uma comunidade online e acredite: funciona.

Por que isso é uma prática cada vez adotada não só por empresas, mas também produtores de conteúdo? Além de gerar valor à sua audiência, a criação de uma comunidade digital permite que estas pessoas interajam com você e proporcionem insights importantes para impulsionar o seu negócio.

Quer saber como utilizar esta ótima forma de atrair clientes e fidelizá-los. Neste artigo, fizemos uma lista com todas as etapas a serem seguidas para você criar uma comunidade engajada e quais ferramentas podem te auxiliar. Confira!

Quais etapas seguir para criar uma comunidade?

Quando falamos sobre criar uma comunidade online, é importante ressaltar que não se trata de um processo simples. Segundo estudo da Gartner, a falta de conteúdo e envolvimento com o público são a causa do fracasso de 70% delas. Sentiu a pressão?

Para ajudar você a não fazer parte desta estatística, fizemos uma lista com todas as etapas a serem seguidas na construção da sua comunidade. São cinco pilares, que podem ser conferidos a seguir:

1. Defina o objetivo da sua comunidade

Antes de qualquer coisa, você deve definir qual é o objetivo da sua empresa ao criar a comunidade. Existem muitos propósitos que podem motivar a criação deste espaço, desde o coletar opiniões, dar suporte ao cliente e até aumentar o engajamento em torno da marca.

Nesta etapa, é importante ouvir a opinião de todos os integrantes de sua equipe. Afinal de contas, você obterá insights que serão importantes para a construção da comunidade.

Não se esqueça da transparência. O público precisa saber o que a empresa espera desta comunidade – e vice-versa.

1. Defina o objetivo da sua comunidade

Antes de qualquer coisa, você deve definir qual é o objetivo da sua empresa ao criar a comunidade. Existem muitos propósitos que podem motivar a criação deste espaço, desde o coletar opiniões, dar suporte ao cliente e até aumentar o engajamento em torno da marca.

Nesta etapa, é importante ouvir a opinião de todos os integrantes de sua equipe. Afinal de contas, você obterá insights que serão importantes para a construção da comunidade.

Não se esqueça da transparência. O público precisa saber o que a empresa espera desta comunidade – e vice-versa.

2. Conheça a sua persona

O segundo passo é conhecer bem a sua persona. Assim, você saberá quais as necessidades do público que deseja atingir e poderá construir a sua comunidade de maneira mais atrativa a estas pessoas.

Lembre-se: esta análise precisa ser detalhada, caso contrário você não atingirá bons resultados. Quais informações você precisa saber? Além dos hábitos deste potencial público, deve-se se atentar a quais tipos de conteúdo ela consome. 

3. Delimite o posicionamento da comunidade

Para a sua comunidade funcionar, é preciso definir todas as regras e o posicionamento dela. Isto permitirá que você torne este espaço agradável para todos os membros e evite o churn de sua comunidade, ou seja, que pessoas se tornem participantes e depois a abandonem.

Pense não só na missão e no propósito da sua comunidade. Não deixe de definir quais os valores deste grupo, ou seja, a cultura que deve ser seguida pela empresa e clientes para permitir interações saudáveis entre todos.

Também é importante ter uma voz bem delimitada, que consiste na maneira com a qual a marca interagirá com o público – o community manager precisará seguir esta cartilha religiosamente!

Para concluir, os benefícios que sua comunidade oferecerá ao público precisam ser bem definidos. Pense em quais vantagens estas pessoas terão ao se tornarem membros. Pode ser conteúdo exclusivo, promoções, suporte e outros motivos que agregarão valor à comunidade.

4. Produza conteúdo de qualidade

Para sua comunidade ter cada vez mais sucesso, é necessário produzir conteúdo de qualidade. Ao gerar valor para o público, estas pessoas ficarão mais propensas a continuarem no grupo e poderão até trazer novos membros – e isso é interessante!

Quando falamos de formatos de conteúdos, considere os hábitos de consumo de sua persona. Pode ser um artigo, podcast, ebook ou até vídeo – o importante é optar pelos que fizerem sentido para o público.

Como o objetivo destes conteúdos também é gerar engajamento na comunidade, uma dica valiosa é produzi-los pensando na interatividade. Incentive as pessoas não só a comentarem, mas também a compartilharem estes materiais.

5. Ouça feedbacks

Para concluir a lista de etapas importantes, não se esqueça de ouvir os feedbacks dos participantes sobre tudo que envolve a comunidade. Assim, você saberá todos os pontos que estão satisfatórios e quais precisam ser aprimorados para melhorar a experiência dos membros.

Além de ouvir a opinião destes participantes, é importante estudar comunidades concorrentes. Desta forma, é possível captar alguns insights úteis que podem te ajudar. Mas lembre-se: algo funcionar em outro grupo não significa que trará o mesmo resultado para você – afinal, seu público possui as próprias particularidades.

Uma dica é ler sobre o conceito de Growth Hacking, ou seja, o marketing orientado a experimentos. Este mindset permitirá que você faça testes e entenda o que melhor funciona para o público da sua comunidade – assim, obtendo crescimento ainda mais rápido.

Quais as melhores ferramentas para manter a sua comunidade engajada?

Você já deve estar pensando em todos os frutos que a sua comunidade trará para a empresa, não é mesmo? Antes de implementar todos os passos acima, não se esqueça de escolher quais plataformas utilizar para interagir com o seu público.

Quais são as mais adequadas? Para responder esta pergunta, deve-se olhar para a sua persona e entender onde estas pessoas estão, como elas interagem e qual tipo de conteúdo elas consomem. Ou seja: a escolha deve ser baseada no que fizer sentido para o seu público.

Além disso, não pense em utilizar somente um canal para manter seu relacionamento com o público. Encorajamos você a não se prender a quantidade e focar na qualidade desta interação com os membros.

Pronto? A seguir, você pode conferir uma lista com as melhores ferramentas para manter a sua comunidade engajada:

1. Redes sociais

Como pode-se esperar, as redes sociais encabeçam a lista de ferramentas mais úteis para garantir o engajamento da sua comunidade. Estamos falando de sites e aplicativos baseados na interação entre usuários e que englobam cada vez mais nichos.

Existem muitas opções no universo social media que podem ser utilizadas. A grande tendência do momento é o TikTok, mas vale ressaltar a utilidade de redes como Facebook, Instagram, LinkedIn, Twitter e Pinterest.

Todos estes exemplos de mídias sociais podem agregar à sua comunidade. Caso você deseje, pode utilizar todas elas. No entanto, a recomendação é focar nas três ou quatro com maior valor estratégico para os seus objetivos.

Por quê? Cada uma tem suas particularidades e é necessário adaptar seu conteúdo e interações a elas. Ou seja, demandará tempo de sua equipe e pode afetar a gestão da comunidade, prejudicando a experiência do membro – que é o mais importante.

2. Aplicativos de mensagens

E não são só as redes sociais que permitem a interação com o seu público. Caso você deseje ter contato com estas pessoas através de outros canais, os aplicativos de mensagem para celular são uma opção bem interessante.

Você provavelmente deve ter pensado no Whatsapp e no Telegram, principais opções disponíveis no mercado. Além deles, vale ressaltar o Snapchat,  com mensagens que só podem ser visualizadas uma vez.

Ao utilizar um serviço de mensagens instantâneas, é possível criar grupos para interagir com o seu público e, de quebra, permitir o relacionamento destas pessoas entre si. Também dá para enviar mensagens privadas para cada contato – no entanto, cuidado para não parecer spam!

3. E-mail

E já que falamos sobre enviar mensagens para o seu público, por que não utilizar o bom e velho e-mail? Com ele, é possível estabelecer uma linha direta entre você e os membros da sua comunidade – claro, fazendo o possível para não dar uma cara de spam a elas.

Que tipo de e-mail enviar? Fica a seu critério. Podem ser newsletters com notícias da sua empresa ou uma curadoria de conteúdos interessantes para o seu público. Além disso, a divulgação de novos produtos ou eventos pode ser interessante.

Para facilitar este processo, recomendamos o uso da automação de marketing – afinal, realizá-lo manualmente é trabalhoso demais. Entre as ferramentas com bom suporte ao e-mail marketing, as melhores opções são Mailchimp, RD Station, Hubspot e Leadlovers.

4. Plataforma de vídeos online

Caso você deseje ter um ambiente proprietário onde os membros podem consumir seu conteúdo e interagir entre si, a solução pode ser uma plataforma de vídeos online. Por que é interessante? Nela, você define todas as regras – seja de monetização, acesso e até integrações com outras ferramentas.

Este tipo de plataforma utiliza o conceito Over The Top, ou seja, permite a distribuição de conteúdos digitais sem intermediários. Como exemplos famosos, podemos citar as gigantes Netflix e Amazon Prime. Mas não se engane: trata-se de uma ferramenta acessível e que demanda investimentos cada vez menores.

E por ser um ambiente proprietário, você pode disponibilizar outros tipos de conteúdo como ebooks e podcasts. Além disso, este tipo de ferramenta geralmente oferece fóruns de discussão para aumentar o engajamento da sua comunidade. Se interessou? Confira o que analisar ao escolher uma plataforma de vídeos online.

Este artigo foi escrito pela Netshow.me. Fundada em 2013, oferece soluções para gerenciamento, distribuição e monetização de conteúdos online – entre elas, a plataforma de vídeos online.

Escrito por

Autor Convidado

Fique por dentro e confira as nossas dicas sobre o mercado mobile e interação digital.