O que é phishing e como proteger dados, empresas e clientes

Descubra o que é phishing, os tipos de práticas existentes, os canais mais usados. Veja ainda como proteger dados dessa prática criminosa.

O intenso fluxo de informações e de dados no ambiente virtual torna cada vez mais importante prezar pela segurança digital, seja de pessoas físicas ou jurídicas. Entre tantas práticas fraudulentas existentes na atualidade, é fundamental entendê-las sabendo, por exemplo, o que é phishing, SPAM, entre outras.

Isso porque, a depender do tipo de fraude, existem sérios riscos para as vítimas. Estar ciente dessas operações permite implementar ações com o objetivo de proteger dados e prevenir danos. 

Neste artigo, vamos nos aprofundar sobre o que é phishing, como ele funciona, seus possíveis impactos e, também, como auxiliar sua empresa e clientes a se prevenirem dele. Veja!

O que é phishing

Phishing é um tipo de ataque virtual em que os criminosos buscam colher informações de pessoas, sejam elas:

  • dados pessoais;
  • senhas;
  • dados de acesso a contas bancárias;
  • dados financeiros;
  • arquivos e documentos;
  • números de cartão de crédito, entre outras.

O nome phishing faz referência à metáfora do ato fraudulento de “pescar” vítimas no meio virtual, usando para isso algumas iscas. Sendo assim, os malfeitores elaboram comunicações que parecem ser feitas por bancos, empresas e organizações reais e usam diversos canais para isso, conforme você poderá ver a seguir.

Principais canais usados para phishing

O conhecimento tecnológico dos criminosos que realizam phishing se soma ao acesso a banco de dados e ao uso de canais de comunicação bastante acessíveis. Como esses canais fazem parte do nosso dia a dia, as ações podem facilmente passar despercebidas e, assim, fazer diversas vítimas.

Agora que você já sabe o que é phishing, veja os meios mais usados pelos infratores para aplicá-lo.

E-mail

O phishing realizado por e-mail comumente vem acompanhado de um remetente aparentemente fidedigno (bancos, financeiras e até mesmo serviços de entrega de encomendas), layouts elaborados e com a solicitação de uma ação por parte do usuário.

Dessa forma, no e-mail, pode ser solicitado o clique em um link ou o preenchimento de um cadastro que, na verdade, direcionarão dados sigilosos para os criminosos.

SMS

De maneira semelhante ao phishing por e-mail, no SMS pode haver solicitação direta de dados pessoais, pedidos para que sejam realizadas ligações para números e até mesmo inserção de links não confiáveis.

Ligações

É preciso sempre atentar para ligações que solicitam dados pessoais ou até mesmo que buscam confirmá-los. Ainda que a pessoa do outro lado da linha se identifique como atendente de uma organização confiável, é fundamental evitar o compartilhamento dessas informações por telefone.

Sites

Existem iscas relacionadas a phishing que são inseridas em sites desprotegidos, sejam em links, banners ou pop-ups. Ao clicar em algum desses itens, o usuário pode ter seus dados obtidos e usados por outros para fins criminosos.

Redes sociais

Até mesmo nas redes sociais é possível ser vítima de phishing. Isso é feito também mediante clique em links aparentemente confiáveis, campanhas fictícias e interação com perfis falsos que se assemelham a organizações verídicas.

Tipos de phishing

Confira a seguir os principais tipos de phishing:

  • Clone phishing: consiste no uso de sites falsos bastante semelhantes aos originais que induzem os usuários a acreditarem em sua veracidade. Dessa maneira, essas pessoas compartilham informações sem saberem de que estão sendo vítimas de golpe;
  • Phishing com ransomware: esse tipo de phishing é aplicado por meio da instalação de softwares maliciosos nos dispositivos dos usuários. Para isso, são usados links que, ao serem clicados, iniciam a instalação desses programas capazes de captar dados; 
  • Blind phishing: trata-se do phishing realizado de forma aleatória, com o envio de uma mensagem maliciosa para um grande número de contatos para captação da maior quantidade de dados sensíveis possível;
  • Spear phishing: a prática é realizada tendo como alvo pessoas ou grupos específicos de organizações ou órgãos públicos, por exemplo, para a obtenção de dados das vítimas.

Diferenças entre phishing e SPAM

Apesar de poderem estar relacionados ao envio de comunicações em massa, o phishing e o SPAM têm uma principal diferença entre si: o objetivo. Para saber o que é phishing, é preciso ter em mente que ele é realizado com o intuito de obter dados dos usuários por meios criminosos. O SPAM consiste apenas em disparos massivos visando a divulgação de produtos, serviços ou marcas.

Por isso, apesar de o SPAM ser uma prática invasiva, seu problema está mais relacionado ao incômodo pelo recebimento de uma mensagem não solicitada do que a um risco à integridade de dados. Já o phishing, por sua vez, pode passar despercebido como uma comunicação autêntica, mas dotada de golpe.

Como proteger sua empresa e clientes de práticas de phishing

O Brasil é, hoje, um dos principais alvos de ataques cibernéticos em todo o mundo. Isso reforça a necessidade de proteger seus dados, os da sua empresa e dos seus clientes. Mas como fazer isso?

Proteção de dados pessoais

A proteção de dados pessoais contra phishing perpassa o cuidado ao abrir qualquer tipo de mensagem que contenha links e direcionamentos para inserção de informações sensíveis. 

Confira sempre o remetente de e-mails e SMS e atente para a URL de sites (verificando se parecem autênticos). Tome cuidado até mesmo com o compartilhamento de dados em ligações telefônicas.

Proteção da empresa

O primeiro e principal passo para proteger a empresa e os colaboradores de phishing é contar com um setor de Segurança da Informação. Especialistas na área são capazes de dar orientações e implementar ações de proteção dos dados. 

Além disso, é fundamental orientar toda a equipe sobre boas práticas em relação à abertura de e-mails e cliques em links duvidosos, principalmente.

Proteção dos dados de clientes

Além de aplicar as regras e recomendações da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), sua empresa deve se comunicar de maneira mais evidente possível com seus clientes. Isso é importante para transmitir credibilidade e eliminar desconfianças sobre phishing da sua parte. 

Para isso, sempre explique o que é phishing e identifique corretamente o emissor das mensagens da empresa. Dê também orientações sobre como os usuários podem distinguir os sinais de autenticidade das comunicações da sua empresa.

Saber o que é phishing e adotar meios para que outras pessoas também o saibam é a principal maneira de tentar evitar danos com o uso indevido de informações pessoais, seja de empresas ou de pessoas físicas.

Então, não deixe de compartilhar este post nas suas redes sociais para que mais pessoas estejam atentas e se protejam desse tipo de prática.

Escrito por

Marcela Melo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.