IoT: entenda a importância da automação em chatbots

IoT é a sigla para Internet of Things, ou internet das coisas. Esse conceito da ciência da computação representa a comunicação máquina a máquina (M2M) usando a internet. Sua aplicação pode revolucionar a forma como os chatbots interpretam o mundo e dialogam com as pessoas. É sobre essa revolução que nosso post trata!

Como IoT, chatbots e pessoas interagem?

A função da IoT é perceber a realidade física por meio de sensores e dispositivos. Os dados coletados por esses mecanismos podem ser os mais variados possíveis, como a temperatura de um motor ou o desgaste de uma peça.

Depois de captados, eles são interpretados por sistemas e softwares que transmitem a informação via internet para outras aplicações. Nesse contexto, os chatbots podem ser usados como um elo entre máquinas e pessoas, transformando a comunicação M2M em M2P (máquina para pessoas).

Por exemplo, os sensores de um carro informam o computador de bordo sobre uma peça avariada. Então, o computador se conecta com o sistema do fabricante ou da concessionária e transmite os dados.

Usando o cadastro do cliente, a empresa envia um e-mail ou SMS convidando o proprietário a visitar uma página web. Ao clicar no link, a pessoa começa a dialogar com um chatbot que explica a necessidade de reparo e suas possíveis consequências.

Ela também pode consultar a agenda de serviços da concessionária, sugerir datas para o reparo e marcar um atendimento com a equipe de mecânicos. Por fim, o cliente ainda consegue pagar pelas peças e serviços — tudo isso sem sair do chatbot.

Quais categorias de chatbots podem ser usadas?

No exemplo acima, citamos diversas atividades envolvendo vários profissionais que foram centralizadas e automatizadas pelo chatbot. Entretanto, as empresas atualmente optam por usar sistemas conversacionais especializados em uma função e, com isso, ajudam as pessoas a se adaptar a essa nova tecnologia.

Abaixo, listamos 6 funções específicas desempenhadas por diferentes tipos de chatbot:

  1. atualizar o cadastro dos clientes;
  2. capturar e qualificar leads;
  3. realizar pesquisa de satisfação com consumidores;
  4. cobrar dívidas de inadimplência;
  5. informar sobre promoções;
  6. indicar o status de um pedido.

Em todos os casos, o agente virtual troca informações com outro sistema da empresa para aumentar o nível de personalização da conversa e oferecer uma experiência mais agradável para a pessoa.

Como adotar essa inovação para automatizar os chatbots?

Você já pode contratar, configurar e usar um chatbot em apenas 30 minutos. Contudo, existem 3 passos indispensáveis para não errar na contratação:

  1. avalie se o chatbot tem uma API para facilitar a comunicação entre máquinas e a integração com outros sistemas usados por sua empresa;
  2. escolha um fornecedor que conte com boas referências dos clientes;
  3. questione sobre quais tendências o fornecedor está acompanhando e como ele pensa em incorporá-las ao seu chatbot — pergunte inclusive sobre IoT.

Se a empresa não souber responder a uma dessas questões, tenha certeza que ela não vai conseguir ajudar seu negócio. Afinal, é preciso que ela seja capaz de fornecer essas informações e ainda ajudá-lo a entender quais áreas da sua organização mais se beneficiariam pela adoção de chatbots.

Até 2020, estima-se que 20 bilhões de “coisas” estarão conectadas via IoT. Essa troca de informações entre máquinas vai impulsionar a utilização dos chatbots pelas empresas e revolucionar o grau de automação dessa tecnologia e a interação entre pessoas e marcas.

Viu como a automação dos chatbot usando a IoT pode ajudar a sua empresa a realizar mais negócios? Para saber mais detalhes, aproveite para ler agora mesmo o texto que explica o que é um chatbot para que você possa entender esse recurso de uma vez por todas!

Escrito por

Flavio Barboni

Fique por dentro e confira as nossas dicas sobre o mercado mobile e interação digital.