Como a autenticação em dois fatores (2FA) pode evitar fraudes

A autenticação em dois fatores – 2FA garante proteção aos dados dos seus consumidores e também aos serviços da empresa. Confira!

A autenticação de dois fatores, também conhecida como 2FA, é uma maneira de aumentar a segurança do usuário e, da mesma forma, das empresas, quando há um acesso a um serviço ou uma transação na internet. É uma camada maior de segurança do que aquela padrão, que é o cadastro de login e senha. E temos visto o quanto é preciso reforçar cada vez mais a proteção dos dados on-line. 

Neste artigo, falaremos sobre o cenário de ataques cibernéticos e segurança virtual no país, um exemplo recente que está preocupando o mercado e em quais são os principais casos de uso da autenticação em dois fatores – 2FA. Confira!

Ataques cibernéticos e segurança on-line

Ataques cibernéticos, fraudes e outras ameaças virtuais se tornaram temas ainda mais relevantes para as empresas brasileiras em 2021. Uma pesquisa realizada pela PwC, entrevistando 3.200 executivos e profissionais de TI, de mais de 40 países, incluindo o Brasil, mostra que 57% das empresas aumentarão os investimentos em cibersegurança em 2021, comparando com o ano anterior. 

Outro dado importante que enfatiza a importância de soluções de segurança como a implementação da autenticação em dois fatores – 2FA é a uma pesquisa recente conduzida recente do Massachusetts Institute of Technology, que apontou um aumento de 493% de vazamentos de dados no Brasil. Além disso, em 2018, o número de incidentes relevantes encontrados foi 3, já em 2019, o número saltou para 16, de acordo com o estudo. 

Uma questão igualmente importante levantada pela pesquisa é o tempo em que as empresas levam para tomarem ciência dos vazamentos de seus bancos de dados. Conforme analisado, o tempo de exposição tem um média de 250 dias. 

De acordo com análise realizada para o Canaltech, profissionais afirmam que os investimentos relacionados com proteção e segurança virtual acabaram se tornando um verdadeiro diferencial competitivo no mercado. Afinal, além do prejuízo financeiro, quando ocorre um ataque ou situação de vulnerabilidade, as empresas também perdem em imagem e credibilidade perante os consumidores assim como no seu valor competitivo, prejudicando o seu relacionamento com o cliente.

No caso abaixo, trouxemos um exemplo recente de uma nova prática de mercado. Apesar de não ser um vazamento de dados ou ataque virtual, o uso de ferramentas virtuais, como os bots, acabam impactando igualmente na satisfação do consumidor e em sua relação com a marca. 

Robôs cambistas e detecção de bots

No final de 2020, os consumidores que estavam em busca do novo PlayStation 5 acabaram se deparando com um obstáculo para adquirir o produto, já que não conseguiam achar o console nos estoques das lojas. Certamente, a busca era alta, mas o motivo central que desencadeou a situação no mercado fugia da mera ação humana. O grande protagonista da história acabou sendo uma nova prática que acabou zerando o estoque dos varejistas, o uso de robôs que atuam como cambistas.

No caso, como explica o Tecnoblog, os robôs foram desenvolvidos para fazer uma rápida transação dos produtos, ou seja, comprá-los antes que todo mundo, principalmente antes dos consumidores humanos que estavam atrás do produto, dessa vez do PlayStation 5. Assim, poderiam revendê-los no futuro com um preço muito mais elevado, de onde vêm o nome de robôs cambistas. E esse não é um caso isolado. 

A ação dos robôs, como explica a reportagem, tem como objetivo os produtos com alta demanda, com foco em sites de grandes varejistas, como Walmart e Facebook Marketplace. No começo da pandemia do novo coronavírus, os softwares replicaram a mesma prática com outros tipos de produto, como papel higiênico e desinfetantes, que estavam sendo bastante buscados pelas pessoas por conta do cenário. 

Até então, os robôs cambistas não eram considerados ilegais, tendo acesso liberado para fazer aquisições em escalas e muito rapidamente, muito mais do que qualquer pessoa conseguiria. Um acesso temporário a softwares como esses estavam sendo liberados a preços que variavam entre US$10 e US$20.

O impacto do uso dos robôs cambistas no mercado é significativo. Fazendo com que os estoques zerem, os robôs cambistas obtêm lucro em cima dos consumidores que não conseguem mais encontrar o que procuram em nenhum outro lugar. Por isso, varejistas estão buscando inibir a prática, por meio de medidas de segurança. Com isso, ferramentas de segurança, contra fraude e detecção de bots, como a autenticação em dois fatores – 2FA, podem ser uma ótima saída. 

Autenticação em dois fatores – 2FA: casos de uso

Evitar fraudes e proteger os usuários é possível através da autenticação em dois fatores – 2FA. Por meio de APIs confiáveis que se conectam com canais de comunicação relevantes, é possível garantir a identidade real de quem está realizando uma solicitação, seja por meio de SMS, Voz, RCS ou WhatsApp. Com a utilização de 2FA, serão necessárias duas camadas de autenticação, e não somente o login da conta, que muitas vezes é o padrão. 

Com a autenticação em 2FA é possível controlar o acesso a sistemas e dados confidenciais dos consumidores e das empresas, protegendo o banco de dados e garantindo a segurança de todos, como, por exemplo, contra ataques de phishing. Entre casos de uso estão, por exemplo, a recuperação de senhas. 

Para agilizar o processo de recuperação de acesso a sua conta ou painel, as empresas podem enviar uma mensagem, como um SMS, para um número cadastrado com um PIN único. Outra possibilidade é o envio de tokens por ligações de Voz. Veja mais casos de uso e vantagens do módulo de autenticação de dois fatores – 2FA da Zenvia

  • geração de tokens dinâmicos: ou seja, sempre que houver uma nova autenticação, por meio da 2FA, haverá também a geração de um token alfanumérico único, garantindo a proteção do usuário;
  • agilidade na entrega: um ponto bastante relevante é que transações 2FA precisam de agilidade, por isso são priorizadas pelo bulksender, para que o usuário não fique esperando e tenha uma boa experiência;
  • conexão com softwares de terceiros: com a utilização do módulo de REST API do Zenvia Flow com o módulo 2FA, consegue-se conectá-lo a outros softwares, como CRMs e bancos de dados na nuvem;
  • segurança: as empresas podem proporcionar mais segurança para os seus clientes utilizando 2FA na hora de realizar transações, cadastros e outros processos.

Em uma era em que os dados são um dos grandes bens das pessoas e das empresas, reforçar a segurança é fundamental para garantir um bom atendimento e gerar credibilidade para sua marca. Quer saber mais sobre a autenticação em dois fatores – 2FA? Confira o módulo da Zenvia

Escrito por

Janine Costa

Fique por dentro e confira as nossas dicas sobre o mercado mobile e interação digital.